Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A vida e outros acasos

A vida é uma coisa. O amor é outra. (Miguel Esteves Cardoso)

A vida e outros acasos

A vida é uma coisa. O amor é outra. (Miguel Esteves Cardoso)

E é assim

Abrimos a porta, abrimos a casa, abrimos o sorriso para saudar quem chega.

Abrimos a vontade, abrimos o tempo, abrimos os braços para acolher quem nos procura.

Abrimos a alma, abrimos as memórias, abrimos o coração para guardar quem nos toca.

Abrimos a cama, abrimos o corpo, abrimos o desejo para aquecer quem nos quer.

Depois, um dia, abrimos os olhos. E a realidade entra de rompante, sem pedir licença.

E é assim.

 

P1360991 cópia.jpg

 

Acordar

Dás-me os bons dias quando ainda estou embrulhada no sono e nos lençóis. Abro os olhos e ofereces-me um sorriso, um beijo e um café. Puxas-me para ti e envolves-me num abraço quente. Falas-me ao ouvido, despertas-me pouco a pouco para o dia que acorda lá fora. Aninhada em ti estou protegida de todos os males, de todos os pesadelos. És a minha casa, a minha âncora, o meu sossego, e não há nada que possa atingir-me.

É nessa altura que o despertador toca.

E eu acordo.

 

Milos-Adámas-Aleksandros Village (2659) cópia.jp

 

A falta que me fazes

Sinto a tua falta.

Sinto falta do teu sorriso travesso e da tua gargalhada fácil. Do som terno do meu nome dito pela tua voz. Do aconchego caseiro do teu abraço apertado.

Falta de sentir o sopro morno do teu hálito no meu pescoço. O peso bom do teu corpo sobre o meu. A urgência da tua língua na minha pele. A fome dos teus beijos.

Sinto falta dos teus olhares cheios de significado. Das tuas carícias que me segredam segundas intenções. Das nossas conversas intermináveis noite dentro, desaguando em manhãs sonolentas e monossilábicas no conforto dos lençóis.

Antecipo a tua falta mesmo quando ainda não foste embora. Adivinho as saudades que vou sentir na tua ausência. Pressinto o vazio dos meus dias sem ti. A dor de sentir que perdi uma parte de mim.

Ainda estás aqui, mas já sinto a tua falta.

ediçãolimitada cópia.jpg

 

Natal

 

O Natal está em todo o lado.P1310046 cópia 2.jpg

Invade as ruas, as lojas, as casas. Brilha nas luzes e reflecte-se nos espelhos. Pesa nos embrulhos com papel colorido e laçarotes a espreitarem de sacos carregados. Grita “Ho! Ho! Ho!” mesmo para quem não quer ouvir.

O Natal está em todo o lado, mas não em mim.

Rodeia-me mas não me desperta. Dou por ele, mas não me afecta. Entra-me pelos olhos adentro, mas não aquece o meu coração.

Dizem que o Natal é sempre que um homem quiser.

Pois se assim é, vou continuar à espera.

Vou acender as gambiarras e pendurar os enfeites, comer o peru e as azevias, oferecer prendas e sorrir, quando receber as que me oferecem. E desejar Boas Festas, e dar abraços apertados às pessoas de quem gosto.

Ainda à espera.

À espera daquele dia em que também o meu mundo se ilumine, e eu possa enfim sentir que o Natal chegou.

 

 

O teu olhar

O teu olhar persegue-me.

Queima-me a nuca quando estou de costas. Encandeia-me quando me viro para ti. Enfeitiça-me quando sorris. Aquece-me quando me percorre.

Está impresso na minha memória com tinta indelével, assalta-me a qualquer hora do dia, assombra os meus sonhos mais profundos.

Os teus olhos despem-me quando me observas, e fazem-me perguntas que não chegam aos teus lábios.

E os meus olhos respondem aos teus, num namoro recorrente e mudo, em que nenhum de nós dois está disposto a capitular.

 

olhar.jpg

 

 

Atreve-te

 

Sim, sei que gostas do que vês. Percebe-se isso pela forma como me olhas de cima a baixo enquanto um sorriso aflora aos teus olhos.

Mas o que estás a ver é apenas o invólucro. O melhor de mim está mesmo lá dentro. Protegido, reservado só para algumas pessoas, aquelas que querem realmente saber quem eu sou e o que me move. Aquelas que se interessam e querem ver o que está para lá do meu simples exterior.

E se queres mesmo conhecer-me, atreve-te.

Atreve-te a olhar bem fundo nos meus olhos, porque às vezes eles dizem mais do que os meus lábios.

Atreve-te a ouvir-me, a encontrar no tom da minha voz as subtilezas que denunciam as minhas paixões e os meus desapontamentos.

Atreve-te a tocar-me, pois só assim te aperceberás da temperatura da minha pele.

Atreve-te a dar-me a mão e deixa que eu te leve a descobrir paisagens infinitas, templos escondidos e sorrisos com alma.

Atreve-te a conhecer as minhas memórias e os meus sonhos, porque o passado é a lava que me moldou e o futuro a opala em que estou a transformar-me.

Atreve-te a fazeres de mim o teu livro de cabeceira.

Atreve-te a decifrar-me.

 

Paixão

 

Caí de quatro quando o vi. Como se tivesse sido fulminada por um raio. Fiquei pregada ao chão, mesmerizada, incapaz de raciocinar. Aplicam-se a mim todos os lugares-comuns habituais para descrever uma paixão à primeira vista. E provavelmente mais alguns que ainda não foram usados.

Não foram os olhos dele, tapados por óculos escuros. Também não foi o corpo, disfarçado pelas roupas meio largas, nem foram as mãos, escondidas nos bolsos das calças.

Terá sido talvez o seu sorriso, luminoso e quente como um dia de Verão. Ou tão só a sua presença, a sua aura de confiança, a forma como entrou e ficou a olhar. Simplesmente a olhar e a sorrir.

A partir desse momento, tudo à minha volta como que se esbateu, e fiquei incapaz de afastar os olhos dele. Como se ele fosse o pólo norte da minha agulha magnética, o farol que rompe a escuridão do oceano onde eu navegava, ele planeta principal e eu apenas um satélite gravitando em seu redor. Apaixonei-me sem razão, sem controlo e sem sequer me aperceber. Desapareceram todas as minhas prioridades, porque o meu único objecto de desejo passou a ser ele, um simples desconhecido, um estranho cuja existência até então eu ignorava completamente e de quem nada sabia.

Foi assim que me apaixonei sem remédio e me deixei afogar naquela paixão. Deixei-me ir até ao fundo, privada de qualquer possibilidade de salvação, porque contrariar o que sentia teria sido impossível, mesmo que quisesse. Deixei que a paixão me esvaziasse, me consumisse até já nada restar de mim. Apenas sobreviveram as cinzas do que eu tinha sido.

E só nessa altura, qual fénix, eu pude renascer. Porque esta paixão foi como a chama de um fósforo – começou com uma explosão, mas ardeu rapidamente até ao fim, e nada sobrou para a alimentar. Aqueceu-me o coração por algum tempo, ofereceu-me um novo fôlego, e dela saiu uma mulher renovada e mais forte.

Às vezes, a vida sabe o que faz. E faz bem.

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Posts mais comentados

Instagram