Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A vida e outros acasos

A vida é uma coisa. O amor é outra. (Miguel Esteves Cardoso)

A vida e outros acasos

A vida é uma coisa. O amor é outra. (Miguel Esteves Cardoso)

Música

Manhã cedo. A plataforma da estação está cheia de gente. Falta pouco para o comboio chegar.

Os altifalantes debitam o sinal sonoro que precede um aviso, e há um murmúrio colectivo. Já sabemos o que vamos ouvir: que o comboio foi suprimido e o próximo só passará dentro de um quarto de hora.

Sinto a irritação subir por mim acima. Vou chegar atrasada ao trabalho outra vez. Não que isso me traga grandes problemas, mas aborrece-me. Estas falhas são constantes, e agora nunca sabemos com o que podemos contar.

Como habitualmente, estou de auriculares nos ouvidos. Hoje é um programa de rádio que me faz companhia. Som leve e conversa animada. Começa a ouvir-se uma daquelas músicas de dança mais em voga, cheia de ritmo e energia.

E a magia acontece. De repente, noto que o ar está morno e o céu azul. À minha volta tudo parece adquirir um outro brilho. Sinto uma enorme vontade de mexer o corpo, de dançar, ali mesmo, no meio de toda aquela gente. Imagino-me às voltas, a abanar os braços, a bater os pés ao compasso da música. Imagino os olhares estupefactos das pessoas, os risos. Imagino que alguém se junta a mim, dançando também. Sorrio com a ideia.

Refreada pelo meu “grilo falante”, limito-me a oscilar um pouco a cabeça, marco o ritmo levemente com as mãos e um dos pés. A irritação passou. Sinto-me bem. Que se dane o comboio e o trabalho, já nem sequer penso nisso, simplesmente aproveito o momento.

É estranho este poder que a música tem sobre nós. A forma como reagimos a um simples conjunto de vibrações sonoras, ocorrência básica da física que no entanto tem o poder de nos transformar. E de transformar instantes da nossa vida.

O comboio atrasa-se ainda mais do que o previsto. Mas já não me incomodo. Estou viva e está um dia bonito. O resto não interessa.

IMG0466A cópia.jpg

 

As ruas de Lisboa

As ruas de Lisboa sobem e descem serpenteando pelas colinas, e desdobram-se em escadinhas, becos e miradouros, desembocam em praças e rotundas, contornam jardins, museus e monumentos. Têm varandas e janelas floridas, balaustradas e portões de ferro forjado, portas de vidro, de madeira, de metal. Têm roupa estendida, nos bairros antigos, e fachadas com azulejos pintados à mão. Têm edifícios que se iluminam com mil cores quando cai a noite, e jacarandás que atapetam de roxo o chão no mês de Maio.

As ruas de Lisboa têm pedras soltas nos passeios de calçada portuguesa e paredes grafitadas. Têm mendigos de mão estendida e poças de água suja quando chove. Têm pombos sôfregos que correm de um lado para o outro, gaivotas desorientadas em telhados longe do rio, e bandos de estorninhos barulhentos e assustadiços. Têm tapumes de obras e andaimes, buracos traiçoeiros e tampas metálicas desniveladas no alcatrão. Têm árvores aqui e acolá, postes de iluminação e papeleiras, painéis com publicidade, toldos e néones de cores vivas.

Pelas ruas de Lisboa correm eléctricos amarelos ou vermelhos, e autocarros que eram laranja mas agora têm as cores da publicidade que ostentam. Passeiam carros anfíbios com focinho de hipopótamo, carochas descapotáveis de cores pastel, tuc-tucs decorados com imitação de azulejo, bicicletas com as mais variadas formas, e carrinhos que parecem de feira mas andam à solta enchendo a cidade de rateres. Ouvem-se buzinadelas e travagens, cheira a fumos de escape e o trânsito vira inferno de manhã e ao fim da tarde. As entradas do Metro são bocas cinzentas que engolem as pessoas uma a uma e depois as regurgitam em grandes golfadas.

Nas ruas de Lisboa há homens e mulheres que caminham apressados, o olhar perdido como zombies, a mente divagando sabe-se lá por onde. Há pessoas paradas a conversar, sentadas à espera de um transporte público, passeando vagarosamente enquanto olham as montras ou falando para o microfone do telemóvel. Há turistas de câmara ao pescoço e mapa na mão, estudantes de mochila às costas e ténis nos pés, crianças puxadas pelas mãos dos adultos. Há esplanadas cheias de gente quando o sol brilha, e chapéus abertos em correria quando chove.

Nas ruas de Lisboa flui a energia que anima uma cidade.

P1260071 cópia.jpg

 

O teu olhar

O teu olhar persegue-me.

Queima-me a nuca quando estou de costas. Encandeia-me quando me viro para ti. Enfeitiça-me quando sorris. Aquece-me quando me percorre.

Está impresso na minha memória com tinta indelével, assalta-me a qualquer hora do dia, assombra os meus sonhos mais profundos.

Os teus olhos despem-me quando me observas, e fazem-me perguntas que não chegam aos teus lábios.

E os meus olhos respondem aos teus, num namoro recorrente e mudo, em que nenhum de nós dois está disposto a capitular.

 

olhar.jpg

 

 

Gosto, não gosto

Gosto de animais. De todos. Mas em liberdade. Não gosto de os ver enjaulados, engaiolados. Penso que podia ser eu no lugar deles, e isso arrepia-me.

Gosto de sapatos. Adoro sapatos. No Verão, sandálias com tirinhas, “peep toes”, “slingbacks” com salto baixo e fininho. No Inverno, botas. Mas sem serem de cunha, por favor.

Gosto de batons de manteiga de cacau. E do meu corrector com três cores diferentes, que tapa todas as borbulhinhas e manchas e olheiras, e ajuda-me a ter um ar mais “composto”. Detesto bases espessas e maquilhagem a mais, que me dão a sensação de estar a usar uma máscara.

Gosto de marisco. De mangas ainda pouco doces. De sumos naturais. E de coisas doces, é o meu pecado. Não gosto de comida a saber muito a sal.

Gosto de óculos escuros. Somos inseparáveis, seja em que estação do ano for. Ao amanhecer, durante o dia, quase sempre ao crepúsculo, mas nunca à noite.

Gosto de sorrisos francos. Detesto mentiras.

Gosto de dançar. Mover o corpo instintivamente ao som da música, sem pensar em nada. E gosto da água. De olhar o mar, o rio, de andar de barco. São momentos felizes.

Gosto de sonhar. Com o que já vivi, e com aquilo que ainda irei viver. Sonhar com um mundo melhor e mais justo. Sonhar com um futuro em que todos possam concretizar os seus sonhos. Sonhar que esse dia possa ser já amanhã, ou para a semana.

Gosto de ser optimista. Frequentemente teimosa e saudosista, às vezes melancólica e quase sempre patética, mas optimista.

 

(Em jeito de resposta a este post da Framboesa, embora com atraso e fora do formato…)

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Instagram