Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A vida e outros acasos

A vida é uma coisa. O amor é outra. (Miguel Esteves Cardoso)

A vida e outros acasos

A vida é uma coisa. O amor é outra. (Miguel Esteves Cardoso)

Eu queria a Primavera

 

Eu queria a Primavera.

Queria um céu límpido, onde apenas um jacto cintilante rompesse a harmonia do azul, no seu voo rumo ao desconhecido.

Queria um raio de sol brilhante e morno atravessando o vidro da janela e deixando a sua marca na madeira do chão da sala.

Queria um campo verde a perder de vista, pontilhado de azedas radiosas e papoilas vibrantes, que um melro manchasse de negro saltitante e acordasse com o seu canto.

Queria a alvura de um lençol secando ao ar livre, só levemente agitado por uma brisa transportando o cheiro das amendoeiras em flor.

Queria sorrisos abertos nos rostos das pessoas com quem me cruzo, e gargalhadas francas a quebrarem o silêncio da tarde amena.

Queria os sons agudos de crianças a brincarem no parque, de campainhas de bicicletas pedaladas por pés pequenos, de bolas chutadas entre irmãos.

Queria uma porta escancarada no meu coração sonâmbulo, onde entrassem emoções e saíssem sentimentos, um coração a bater forte e com vontade.

Eu queria muito.

Mas lá fora há apenas um dia cinzento e um céu que chora lágrimas grossas.

 

 

Coração

 

Ela deu-lhe o seu coração.

Claro que já não era um coração novinho em folha. Tinha sofrido algumas amolgadelas ao longo dos anos e até mesmo um grande acidente. Mas tinha sido sempre cuidadosamente reparado, e naquela altura estava mesmo em óptimo estado.

Então um dia ela deu-lhe o seu coração. Porque ele era uma pessoa especial, um homem diferente que a pouco e pouco soubera conquistar-lhe a confiança e inspirar amor. Gostavam de estar juntos e de fazer coisas juntos. Ele dava-lhe conselhos atilados e ela retribuía ajudando-o em escolhas por vezes difíceis, quando ele não sabia o que decidir. Eram como a água e o vinho, diferentes nas suas essências mas funcionando bem em conjunto.

Quando ela lhe deu o seu coração, apenas pediu para ele o guardar enquanto quisesse, e que durante esse tempo o tratasse bem. E ele cumpriu o melhor possível. Às vezes, muito raramente, lá se descuidava e sem querer magoava-o um bocadinho. Mas eram coisas de pouca monta, e o coração dela depressa sarava, até porque ele se encarregava de reparar rapidamente o estrago feito. E assim, sem pressas, com o passar dos dias, o coração dela e o dele começaram a bater em sincronia – e quem olhava para eles percebia isso no brilho dos seus olhos e nos sorrisos que trocavam. Juntos construíam momentos felizes, que se prolongavam pelo tempo em que estavam separados. E seguiam as suas vidas de mãos dadas.

Mas um dia o passado vestiu-se de acaso e atravessou-se-lhes no caminho, e por culpa desse acaso ele partiu-lhe o coração. E porque esse passado se transformou no futuro por onde queria seguir, ele tomou um caminho diferente e o coração dela ficou por consertar. Ela ainda lhe pediu para ele lho devolver, mesmo no mau estado em que estava; mas ele esqueceu-se, ou fez-se esquecido, e levou-o com ele.

Agora ela tem um buraco no lugar onde antes estava o coração. Já tentou colocar nesse buraco outros corações que foi encontrando, mas nenhum se encaixou bem naquele espaço especial. Que ela vai assim enchendo de memórias e desejos, lágrimas e esperanças, pequenos nadas e grandes gestos, numa tentativa vã de preencher um vazio que não tem fim.

 

Sonhador

 

Tu, sonhador constante…

 

Que revives uma e outra vez a tua infância protegida de pássaro no ninho;

que aspiras a momentos de glória aclamada por multidões em êxtase, a feitos épicos plasmados nos jornais e cantados em estrofes;

que imaginas amores perfeitos em harmonia cósmica permanente, como se num casulo suspenso no tempo e no espaço;

que suspiras por uma mulher moldada à tua imagem e desejos, uma alma gémea da tua, que te acolha nos seus braços e te inspire altos voos;

que anseias por paisagens longínquas em terras sonhadas, onde o mar e o sol são omnipresentes e a alegria flui no ar que se respira;

que sonhas com um mundo mais justo e compassivo, em que os valores espirituais sejam a estrela-guia e a igualdade algo mais do que uma palavra vã.

 

Desce por um momento da tua nuvem…

 

Firma os teus pés descalços no solo de terra vermelha e sente o calor que dela emana;

deixa-te envolver pela brisa fresca que o oceano traz em cada fim de tarde de Verão;

aspira o cheiro da relva acabada de cortar num jardim, o perfume quente e doce de uma rosa de Maio;

observa os pardais saltitando em busca de migalhas, o voo das andorinhas inebriadas de Primavera, os pilritos que vagueiam entre as rochas à beira-mar;

enche os olhos com pores-do-sol em tons quentes de rosa e laranja, e com céus azuis brilhantes de dias de Inverno;

escuta o riso claro de um bebé no seu banho, os gritos das crianças felizes que brincam à apanhada no recreio, a melodia ensaiada por um melro madrugador na árvore ao pé da tua janela;

descobre o sabor de um morango colhido de manhã cedo, a textura suave de uma sopa de legumes cremosa, o travo forte de um café acabado de fazer;

aceita o carinho de um abraço bem apertado, de um beijo com sentimento, de uma mão calorosa no teu ombro.

 

E só então irás realmente começar a viver.

 

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Instagram